Sobre

FOLGOSA DA MAIA FUTEBOL CLUBE

HISTÓRIA

1938 – O Folgosa da Maia Futebol Clube (F.M.F.C.) foi fundado em 29 de março por um grupo de homens que viveram intensamente agarrados ao forte bairrismo da terra onde nasceram, com todo o seu entusiasmo alienado a sacrifícios físicos e monetários, conseguiram através dos tempos que esta coletividade desportiva se mantivesse de pé. Começando por participar nos torneios inter-freguesias patrocinados pela Câmara Municipal da Maia e posteriormente, na década de 40, participando em torneios regionais de disputa em alguns jogos com equipas de relevo, no plano futebolístico regional. 

1968 – Disputou os campeonatos da ex.- F.N.A.T. A 1 de Maio arrenda o terreno do atual parque de jogos para a prática de desportos sendo deste arrendamento 5 arrobas de milho por mês.

1977 – Filiou-se no I.N.A.T.E.L. (Instituto Nacional de Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores) e com esta inscrição ansiava o aumento do número de sócios.

1977 a 1980 – Durante 13 anos o F.M.F.C. em virtude de competir no I.N.A.T.E.L. consegue uma subida de escalão.

1983 e 1984 – Nesta época o F.M.F.C. disputa o campeonato Distrital do I.N.A.T.E.L. na 1ª categoria.

1986 – A 2 de Agosto o F.M.F.C. através de escritura pública é constituído formalmente como Associação, tendo como fim principal a promoção desportiva, cultural e recreativa dos seus associados, podendo promover e desenvolver atividades desportivas e/ou culturais e também participar em competições desportivas.

1987 – É legalizado o Parque Desportivo e Campo de Futebol do F.M.F.C. junto da Delegação da Direção Geral dos Espetáculos e do Direito do Autor do Concelho da Maia.

1988 – O F.M.F.C. filia-se na A.F.P. (Associação de Futebol do Porto), com o número 8703, nessa altura o Clube possui uma equipa sénior a disputar o campeonato Distrital da III Divisão da A.F.P. Ainda na década de 80 o Clube sobe à II Divisão Distrital da A.F.P. 

1996 e 1997 – O F.M.F.M. sobe à I Divisão Distrital da A.F.P.

2002 e 2003 – Completa 65 anos de existência, enfrentada uma vida cheia de dificuldades, com cerca de 450 sócios e 6 equipas a disputar os campeonatos da A.F.P. (Seniores, Juniores, Juvenis, Iniciados, Infantis e Escolas). Possui ainda formação aos Sábados de manhã com crianças a partir dos 5 anos, integrados no programa “Aprender Futebol”, acompanhados por professores de Educação Física.

2003 – O Clube leva a cabo novas organizações desportivas e culturais, das quais se destacam, o intercâmbio com outras coletividades com a realização de um torneio de futebol, de um convívio no Gerês, de um cruzeiro de barco no Rio Douro, de espetáculos em noites de verão, entre outros eventos culturais. Tudo isto é fruto de uma Família unida, responsável, empenhada, com carisma e espírito de sacrifício, uma Família disposta a vencer e a nunca deixar cair por terra os objetos base do F.M.F.C.

2003 e 2004 – O F.M.F.C. é penalizado com uma descida à II Divisão Distrital da A.F.P., fruto de várias contrapartidas entre as quais se salienta a colocação numa série muito mais competitiva, onde estão inseridos vários clubes da zona do Porto e de Gaia, não estando a equipa dimensionada para esse estilo competitivo, sofre resultados negativos que a levam a tão indesejada penalização. Apesar dos fracos resultados desportivos o Clube não baixa os braços e a sua Direção empenha-se numa forte mobilização interna e não deixa cair por terra as suas ambições e objetivos, quer na componente desportiva, quer na componente social e recreativa com vista ao futuro e ao seu desenvolvimento.

2004 – O F.M.F.C. prepara uma nova equipa para a nova época, equipa essa que ambiciona uma nova subida de escalão, é colocado o novo relvado sintético no campo de jogos, são remodeladas as instalações através de obras de melhoramento e de manutenção das estruturas internas do campo de jogos. É elaborado um novo equipamento oficial branco com emblemas do clube e personalizado para cada jogador, personalização essa feita nas instalações do próprio clube, tendo o clube investido para tal efeito. O Clube neste ano possui sete equipas a competir (Seniores, Juniores, Juvenis, Iniciados, duas de Infantis e Escolas), possuindo também a formação com crianças de 5 aos 9 anos de idade.
É colocada a primeira pedra para a divulgação digital do F.M.F.C., uma pequena página informativa, com resumo do historial do clube, é colocada on-line sendo o seu endereço digital:www.folgosamaiafc.com E o seu e-mail : folgosadamaiafc@gmail.com
A 7 de Junho é fundada a Secção de Pesca Desportiva, inicialmente com 5 pescadores, depois com cerca de 20. O F.M.F.C. participa em vários concursos de pesca oficiais, a convite da Associação Regional do Norte de Pesca Desportiva e inscreve-se nesta associação com o nº19167. O Clube atinge e conquista excelentes qualificações e magníficos troféus.

De 2007 a 2014 – A equipa sénior disputa a 1º Divisão da AFP;

Em 2014 / 2015 – A equipa sénior disputa a Divisão de Honra da AFP;

Em 2015 / 2016 – A equipa sénior disputa a Divisão de Elite da AFP;

De 2016 a 2021 – A equipa sénior disputa a Divisão de Honra da AFP.

PALMARÉS

Campeão Distrital da 2ª Divisão da AF Porto na época 2004-2005

MISSÃO

O FOLGOSA DA MAIA FUTEBOL CLUBE, têm como missão promover e difundir a prática desportiva, cultural e recreativa junto da comunidade em que se insere, proporcionando a todos os seus atletas uma educação cívica e desportiva de qualidade, promovendo ainda a solidificação dos laços afetivos com o clube e com à comunidade.

A nível desportivo, a verdadeira missão é a promoção dos jogadores desenvolvidos na entidade formadora para o plantel sénior no futuro.

VISÃO

A visão da entidade formadora é ser uma referência a nível distrital na formação de jovens jogadores em todos os escalões de formação e que no futuro estes possam impulsionar o clube para os melhores patamares competitivos ao nível sénior.

Ser clube de referência na formação de jovens atletas, através de um forte empenho no alcance da máxima qualidade, quer ao nível dos recursos humanos quer ao nível das infraestruturas de apoio.

OBJETIVOS

O FOLGOSA DA MAIA FUTEBOL CLUBE acredita, defende, pratica e ensina os seus valores: Ética, Espírito de Equipa, Responsabilidade, Solidariedade, Rigor, Competência, Honestidade, Empenho e Competitividade;

– Facultar a todos os jogadores inscritos no clube, a melhor qualidade no ensino e aprendizagem do Futebol ao nível formativo e competitivo;

– Disponibilizar material de qualidade e pedagógico que possibilite um melhor desenvolvimento desportivo;

– Contribuir para a formação geral dos jovens jogadores inseridos na nossa entidade formadora;

– Potencializar as capacidades individuais dos nossos jogadores num contexto de treino e superação ao nível da competição formal;

– Ter treinadores/técnicos qualificados e preparados;

– Promover jogadores para a equipa principal do clube

– Captar novos jogadores para os diversos escalões, dentro do modelo de jogador definido;

– Organizar o Torneio de Futebol Infantil – FOLGOSA CUP.

DEVERES DOS ATLETAS

Todos os atletas da formação do Folgosa da Maia Futebol Clube estão sob a alçada deste regulamento que entra em vigor na época de 2020/2021.

O treino tem início a partir do momento em que o atleta entra nas instalações e só acaba quando o atleta sai das instalações;

Os atletas devem estar equipados e prontos para treinar 5 minutos antes da hora do treino, ou chegar mais cedo caso necessite de ser observado pelos massagistas;

O atleta lesionado é obrigado a comparecer e cumprir sempre os tratamentos que lhe forem indicados pelos massagistas do clube;

Sempre que um atleta não possa comparecer ao treino por lesão, doença ou outro motivo, ou se por motivos pessoais tenha de faltar ao treino em determinada data, deve informar previamente o respetivo diretor/treinador;

Sempre que o atleta regressar ao treino após ausência não se deve equipar sem falar previamente com o diretor/treinador;

Os atletas devem ter uma linguagem exemplar em todas a situações;

Os atletas devem estar devidamente equipados, com o material fornecido pelo Clube, caso não aconteça o jogador não poderá treinar ou jogar, sem a autorização do diretor/treinador;

É obrigatório o uso de caneleiras no treino e de chinelos no balneário e posto

Médico, caso não os tragam ficam sujeitos a uma sanção;

Nos treinos/jogos não é permitido o uso de adereços tais como brincos, piercings, colares ou pulseiras;

O uso telemóvel é proibido nos balneários;

O equipamento de jogo e a sua manutenção é da inteira responsabilidade dos atletas;

Os atletas devem seguir as indicações sobre o balneário a utilizar;

Os atletas, após o final de um treino ou jogo, tem 15 minutos para tomar o duche;

Os atletas devem cumprir os horários de descanso estipulados e a alimentação saudável e adequada, para melhor rendimento;

Aos atletas do clube não é permitido a participação em torneios ou outros jogos, nem treinar ou jogar noutros clubes sem consentimento prévio da direção, caso aconteça o atleta fica proibido de treinar (sujeito a sanção);

No dia de jogo, ao intervalo, os atletas suplentes devem recolher ao balneário, salvo indicação do treinador para se manterem em aquecimento durante o intervalo;

O banho após o treino e os jogos é obrigatório, sendo também obrigatório o uso de chinelos, a dispensa do banho só será permitida em casos excecionais, tais como: indicação médica, motivo imprevistos que depois de analisado pelos treinadores/diretores poderão aconselhar tal decisão;

Os balneários são locais para os atletas se equiparem, desequiparem e tratarem da higiene pessoal;

Para diminuir o risco de perdas de pertences, os atletas não devem trazer valores com eles (telemóveis, carteiras, etc.). Caso o atleta traga este tipo de valores, para o treino, deve deixá-los com o diretor responsável do seu escalão e nunca nos balneários. O Folgosa da Maia Futebol Clube não se responsabiliza pela perda de valores;

Caso o atleta seja substituído no jogo deve permanecer no banco de suplentes, salvo em determinação do contrário;

Não é permitido aos atletas estar no recinto de jogo caso a sua equipa não esteja a treinar ou jogar;

O atleta ao acabar o treino deve dirigir-se para o balneário ordeiramente e pela lateral do campo;

Ao acabar o treino os atletas e treinadores devem conferir e arrumar o material utilizado;

O atleta ao acabar o treino ou jogo deve conferir o seu equipamento para evitar perdas;

Nos jogos particulares ou oficiais os atletas devem ter um comportamento exemplar, demonstrando atitude, fair-play, solidariedade e respeito com todos os intervenientes, nomeadamente treinadores, diretores, adversários, árbitros e adeptos;

Só é permitida a entrada na zona dos balneários dos atletas, treinadores, diretores e responsáveis do clube;

Só é permitida a entrada no campo os atletas que estiverem a treinar, treinadores e Massagistas;

É obrigatório o pagamento de uma mensalidade relativa à formação. Sem esta premissa a participação nos treinos/atividades fica impossibilitada e só será permitida com a autorização do diretor da secção;

A mensalidade relativa à formação deverá ser paga até ao dia 8 de cada mês;

As atividades são parte integrante do funcionamento do departamento e do processo de desenvolvimento do atleta. Ao inscrever-se, o atleta, está a assumir o compromisso de participar em todas as atividades para as quais é convocado;

DEVERES DOS PAIS

Seja o principal Fã do seu filho;

Ajude e ensine o seu filho a ser assíduo e pontual;

Respeite os Treinadores, diretores, os Árbitros, os outros Pais e Praticantes;

Após os treinos ou jogos, ouça o seu filho sobre os aspetos positivos e negativos da sua prestação, lembre-se que as reações e pensamentos são de uma criança e não a de um adulto em ponto pequeno;

Ajude o seu filho a concentrar-se na prestação e não no resultado;

Não entre no balneário/relvado, durante as sessões de treino, assim como, não fale para o seu filho durante a sessão de treino e respetivo jogo;

Não utilize gestos ou linguagem abusiva;

Tenha uma postura exemplar para o seu filho e para o grupo de amigos (cívica, pedagógica, social e desportiva);

Apoie o seu filho, mas não lhe indicações (deixe isso a cargo dos Treinadores);

Não se esqueça que o jogo é para as crianças e não para a glória dos Pais;

Planeie o tempo livre do seu filho enquadrando as atividades académicas com o treino desportivo;

Não proíba a atividade desportiva como castigo para outras atividades. O processo desportivo sistemático é essencial para o desenvolvimento físico e psíquico do seu educando.

FMFC 2020/2021